Falhas de argumentação: você acha ou tem certeza?

Rafaéli Heck, Marguit Carmem Goldmeyer

Resumo


O desenvolvimento da vida social implicou diretamente na expansão do uso das formas verbais de comunicação e por isso, foi necessário compreender o próprio funcionamento e alcance da linguagem. Diversos teóricos determinam a linguagem como elemento de constituição dos sentidos e da realidade, não apenas como instrumento de nomeação. Dissuadir ou persuadir através do arranjo dos diversos recursos oferecidos pela língua é, numa formulação simples, a marca fundamental da capacidade argumentativa dos seres humanos. Para evidenciar esses efeitos pragmáticos da linguagem, o artigo em questão busca analisar as falhas de argumentação presentes na construção de argumentos dos estudantes de Letras do Instituto Ivoti. Durante dez semanas foram apresentados textos de diferentes gêneros e temáticas. Cada texto possuía uma pergunta norteadora que era analisada e dialogada através da prática do letramento argumentativo.  Apesar da progressão e melhora dos argumentos apresentados durante esses momentos de reflexão, diversos defeitos de argumentação podem ser mencionados, uma vez que os mesmos estão fortemente interligados à questões culturais, bem como, linguísticas dos falantes. A presença constante do verbo “achar” com o significado de acreditar foi notoriamente perceptível nas afirmações feitas, apesar dos falantes conhecerem sinônimos apropriados. Ademais, a redundância e a ambiguidade permearam os letramentos argumentativos, pois demonstramos dificuldade em compreender as colocações dos demais integrantes.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2017.

COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição; BUENO, Luzia. (org.) Gêneros orais no ensino. Campinas, SP: Companhia das Letras, 2015.

DOLZ, Joaquim; SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros orais e escritos na escola. 2. ed. São Paulo: Mercado de Letras, 2004.

LIMA, Ana Lima; BESERRA, Normanda. Sala de aula: espaço também da fala. In: LEAL, Telma Ferraz; GOIS, Siane (org.). A oralidade na escola: a investigação do trabalho docente como foco de reflexão. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

MAGALHÃES, Roberto. A arte da oratória: técnicas para falar bem em público. São Paulo: Idea Editora, 2014.

MARCUSCHI. Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Acadêmica Licencia&acturas - (ISEI)

ISSN versão eletrônica: 2525-5754