Letramento argumentativo: metodologias e gêneros textuais voltados para a formação crítica

Daiane Theobald, Marguit Carmem Goldmeyer

Resumo


O presente artigo disserta acerca do ensino da Língua Portuguesa e a formação crítica através de práticas argumentativas. Com o objetivo de informar-se acerca dos mais adequados métodos educativos e gêneros textuais para aplicação de atividades de letramento argumentativo nesse contexto, realizou-se esta pesquisa. Visto que é essencial estar preparado, como professor, para planejar aulas significativas e que induzam a participação ativa dos alunos, buscou-se em diversos teóricos, conhecimentos de áreas distintas a fim de refletir sobre a educação crítica. Aprofundou-se, primeiramente, a busca do referencial teórico, utilizando-se de obras de Paulo Freire, Débora Massmann, Marcuschi e Faraco além de informações presentes em artigos, dissertações e teses, bem como os apontamentos presentes no documento da Base Nacional Comum Curricular relacionados à argumentação e oralidade. Em seguida, os aspectos mais relevantes da prática vivenciada durante a cadeira de Laboratório de Ensino de Língua Portuguesa foram relatados e a partir desses foi possível formular conclusões a respeito da temática. Constata-se, após todo o processo de análise, que é imprescindível ter uma preparação metodológica para exercer a docência, uma vez que momentos de discussão oral são, ainda hoje, insuficientemente trabalhados em sala de aula. Professores de todos os componentes curriculares devem estar munidos de textos e estratégias metodológicas capazes de incentivar a participação dos discentes. No entanto, essa preparação só se dá através de uma boa formação. 


Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, Tiago Silva. Metodologias ativas na promoção da formação críti-ca do estudante: o uso das metodologi-as ativas como recurso didático na for-mação crítica do estudante do ensino superior. 2014. 25 f. Tese (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação e Pesquisa Visconde de Cairu, Bahia, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, DF: MEC, 2017.

CARA, Salete de Almeida. A poesia líri-ca. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1986.

ELEODORO, Débora Raquel Massmann. Línguas-Culturas e Retórica: análise comparada de produções dissertativo-argumentativas em língua francesa e língua portuguesa na esfera escolar. 2009. 498 f. Tese (Doutorado) - Curso de Língua e Literatura Francesa, Letras Mo-dernas, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em:https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8146/tde-05022010-173540/publico/DEBORA_RAQUEL_MASSMANN_ELEODORO.pdf. Acesso em: 07 nov. 2019.

FARACO, Carlos Alberto; TEZZA, Cristó-vão. Prática de texto para estudantes universitários. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autono-mia: saberes necessários à prática edu-cativa. 18. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

KLEIMAN, Ângela. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado da Letras, 2008.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Ângela P.; MACHADO, Anna R.; BEZERRA, Maria Auxiliadora (org.). Gêneros textuais & ensino. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003.

MOTTA, Luiz Gonzaga. O trabalho sim-bólico da notícia. Recife: Compós, 2002.

PRETTI, Dino (org.) Estudos de língua falada variações e confrontos. 2.ed. São Paulo: Associação Editorial Huma-nistas, 2006.

SÁ, Jorge de. A crônica. 3. ed. São Pau-lo: Ática, 1987.

SOARES, Angélica. Gêneros textuais. 7. ed. São Paulo: Ática, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Acadêmica Licencia&acturas - (ISEI)

ISSN versão eletrônica: 2525-5754