A importância do olhar das crianças e suas representações sobre ciência na educação infantil

Letícia Bett Abel, Ailim Schwambach

Resumo


A presente pesquisa teve como problema saber qual a perspectiva que as crianças possuem em relação às concepções de ciência e pesquisa. Para tanto organizou-se uma pesquisa descritiva e qualitativa em uma escola particular do município de Novo Hamburgo – RS. Para isso foram utilizados como ferramenta de investigação desenhos, registros gráficos e diálogos das crianças da faixa etária dos 5 aos 6 anos. Buscou-se compreender o olhar destas crianças em relação aos temas ciência e gênero, visando a compreender as representações do pensamento infantil em relação à ciência e a quem faz ciência. Autores como Rosset (2017), e a Base Nacional Comum Curricular e o Referencial Curricular Gaúcho: Educação Infantil entre outros autores foram utilizados como referência nesta pesquisa. Ao final novos olhares e reflexões a respeito do tema foram emergindo, buscando compreender o potencial infantil e seu protagonismo perante a ciência e a pesquisa, assim como buscar novas alternativas como docentes para potencializar as crianças na busca de respostas às suas curiosidades e também no processo científico.

Texto completo:

PDF

Referências


BOMBONATO, Giseli Aparecida; FARA-GO, Alessandra Corrêa. As etapas do desenho infantil segundo autores con-temporâneos. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro, SP, v. 3, n. 1, p. 171-195, 2016. Disponível em: http://unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/cadernodeeducacao/sumario/40/30042016104546.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Pensando gênero e ciência. Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisas – 2005. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/acs_generos.pdf. Acesso em: 20 fev. 2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fun-damental. Diretrizes Curriculares Naci-onais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/download-da-bncc. Acesso em: 10 jan. 2020.

CHALMERS, Alan F. O que é ciências afinal? São Paulo: Editora Brasiliense 1993.

CHASSOT, Attico. Alfabetização Científi-ca: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 22, p. 89-100, jan./abr. 2003. Disponí-vel em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n22/n22a09.pdf. Acesso em: 11 dez. 2019.

COSTA, Elisabeth Sene. Universo da depressão: histórias e tratamentos pela psiquiatria e pelo psicodrama. São Paulo, Ed. Ágora, 2006.

DEMO, Pedro. Metodologia do conhe-cimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.

JUSTINO. Marinice Natal. Pesquisa e recursos didáticos na formação e prá-tica docente. Curitiba: InterSaberes, 2013.

KAIPPER, Fabiane dos Santos Simon. Relato de experiência: os ciclos de sim-bolização em um grupo de crianças de 2 anos. 2018. 25p. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Educação Infantil) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2018. Disponí-vel em: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/7373. Acesso em: 10 fev. 2020.

KUHLMANN JR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem his-tórica. Porto Alegre: Mediação 1998.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesqui-sa em educação: uma abordagem histó-rica. Porto Alegre: Mediação, 1986.

MELO, Hildete Pereira de; RODRIGUES, Lígia Maria C. S. Mulheres e ciência: uma história necessária: pioneiras da ciência no Brasil. Rio de Janeiro: SPBC, 2006.

NATIVIDADE, Michele Regina; COUTI-NHO, Maria Chalfin; ZANELLA, Andréa Vieira. Desenho na pesquisa com crian-ças: análise na perspectiva histórico-cultural. Contextos Clínicos, v. 1, n. 1, p. 9-18, jan./jun. 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cclin/v1n1/v1n1a02.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do traba-lho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2013.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria do Estado da Educação. Referencial Curri-cular Gaúcho: V.1: Educação Infantil. Porto Alegre: Seduc, 2018.

ROSSET, Joyce Menasce; RIZZI, Maria Ângela; WEBSTER, Maria Helena. Edu-cação Infantil: um mundo de janelas abertas. Porto Alegre: Edelbra, 2017.

SÁ, Joaquim. A abordagem experimental das ciências no jardim de infância e 1º ciclo do Ensino Básico: sua relevância para o processo de educação científica nos níveis de escolaridade seguintes. In: CONGRESSO TRABALHO PRÁTICO E EXPERIMENTAL NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, Braga, 2000. Actas... Braga, 2000. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/55609093.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

SCHWAMBACH, A. Estratégias para uma educação ambiental transformado-ra. Revista Pátio, Porto Alegre, v. 54, p. 22, 2010.

TROIS, Loide Pereira. O privilégio de estar com as crianças: o currículo das infâncias. 2012. 183f. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/49724. Acesso em: 10 jan. 2020.

UNIÃO MARISTA DO BRASIL. Matriz Curricular de educação infantil do Bra-sil Marista. Brasília, DF, 2019.

VIANNA, Cláudia; FINCO, Daniela. Me-ninos e meninas na educação infantil: uma questão de gênero e poder. Cader-nos Pagu, n. 33, p. 265-283, jul./dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n33/10.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Acadêmica Licencia&acturas - (ISEI)

ISSN versão eletrônica: 2525-5754